Moizés de Oliveira: ORGANISMO X ORGANIZAÇÃO QUANDO OS VALORES SÃO INVERTIDOS . . .

ORGANISMO X ORGANIZAÇÃO
QUANDO OS VALORES SÃO INVERTIDOS . . .

Moizés de Oliveira

INTRODUÇÃO

Embora o que pretendo refletir seja a partir da Palavra de Deus, não vou citar um
único versiculo, esperando que sirva como exercício para você buscar na Biblia Sagrada,
nossa arma, nossa regra de fé e prática (ao menos assim está registrado em nossos
documentos Batistas), a fundamentação da reflexão proposta.

Não pretendo, tambem, rebuscar conceitos ou apontar preconceitos, apenas te
provocar a reflexão sobre as causas e consequências da inversão de valores que temos
experenciado nas igrejas, que deveriam ser tratadas como Corpo de Cristo, onde a cabeça é
Jesus.
ORGANISMO

Como todos sabemos, ORGANISMO é composto de diversos órgãos que
trabalham harmoniosamente para o bem do todo. Um órgão sozinho não é organismo.
Vários órgãos formam o organismo. Cada órgão é colocado estrategicamente em seu lugar
para cumprir sua missão no todo, que é o corpo. Se um órgão não funciona bem
compromete todo o organismo, e se não for cuidado, tratado, pode comprometer o
funcionamento de todo o corpo, atingindo outros órgãos saudáveis, o que pode levar a
morte.

Para o bom funcionamento do organismo são necessárias várias ações, de maneira
a atender as necessidades de cada órgão, para mantê-los saudáveis e em pleno
funcionamento. Essas ações precisam ocorrer de forma organizada, já que cada órgão,
parte do Corpo, tem uma função diferente, necessidades diferentes, daí o surgimento
necessário da ORGANIZAÇÃO.
ORGANIZAÇÃO

A organização não tem vida própria, não é um Corpo, nem parte dele. A
organização nada mais é do que um elemento externo ao corpo, que tem por finalidade,
única e exclusiva, trabalhar de maneira a proporcionar meios que ajudem cada órgão que
faz parte do organismo – Corpo, a funcionar com sua plena capacidade, cumprindo cada
um a sua missão.

Assim, podemos afirmar que o Organismo sem a organização tem vida, mas a

organização só existe por causa do Organismo, pois por ele foi criada.
A IGREJA – ORGANISMO VIVO – CORPO DE CRISTO

Assim como uma nação só é formada se tiver um povo, um governo só existe
porque existe um povo para ser governado e em favor desse povo deve dirigir todas suas
ações, uma empresa só existe se tiver a pessoa fisica que a tenha constituido com um
objetivo de satisfazer que a constituiu, a Igreja, Corpo vivo de Cristo, é o Organismo vivo
que veio antes das organizações.
As organizações foram criadas para servir a Igreja, para organizar suas atividades,
para servi-la.

Sem igreja não haveriam as organizações, pois a organização não tem um fim em
si mesma, mas sua finalidade e atribuições são (ou eram) delimitadas pela Igreja que as
criou, para “produzir” e administrar os meios necessários para que o Corpo de Cristo
cumprisse sua finalidade, a razão de ser de sua existência – ANUNCIAR O
EVANGELHO A TODA A CRIATURA.
A “EXPERIENCIA” DO GOVERNO TERRENO

Os governos, criados com o objetivo de organizar e gerir a coisa publica,
promovendo o bem comum, atraves de serviços que atendessem o cidadão,
disponibilizando às condições necessárias para o pleno exercicio da cidadania, logo,
deveriam estar à disposição de todos os cidadãos, de igual forma, sem privilegiar os mais
abastados em detrimento do atendimento ao cidadão mais pobre, infelizmente passou a
servir a poucos. Os que foram levados a gerir a coisa publica, que pertence a todos,
indistintamente, passaram a “governar” para um pequeno grupo, uma elite, não retornando
ao pobre, em serviços, o resultado de suas contribuições, através dos impostos que são
cobrados.
A EXPERIENCIA DAS IGREJAS, HOJE

Com o fim de obedecer a cabeça, Cristo, o Corpo de Cristo tem passado por
experiência semelhante ao “governo dos homens”. No inicio víamos as organizações
trabalhando a pleno vapor, não medindo esforços para atender, e bem, o organismo –
Corpo de Cristo. A Igreja era o Centro, era ouvida, eram o alvo, era quem colocava em
prática às sugestões oriundas da Organização.

Com o passar do tempo foi-se invertendo os valores, as posições. A igreja,
organismo vivo, deixou de ser o alvo, deixou de ser a condutora da organização e passou a
ser conduzida pela organização. Numa total inversão de valores, O ORGANISMO
PASSOU A VIVER PARA A ORGANIZAÇÃO, que por sua vez, ao invés de atender a
todos, cuidar de todos com igualdade, passou a ter suas ações “determinadas” por um
pequeno grupo, compartilhando com esse pequeno grupo o “êxito” de suas ações.
CONCLUINDO

A inversão de valores que hoje vivemos – “O ORGANISMO A SERVIÇO DA
ORGANIZAÇÃO”, quando deveria “A ORGANIZAÇÃO EXISTIR A SERVIÇO DO

ORGANISMO” – tem provocado danos irreparáveis ao Evangelho. Sob o pretexto de
“estar a serviço da igreja”, muitas organizações, das mais diversas denominações,
passaram existir como um “negócio privado”, onde são traçadas metas, produtividade, etc,
esquecendo-se que, como diz a Palavra (para você pesquisar e conferir), “Eu plantei,
Apolo regou, mas é o Espirito que dá o crescimento”. Quando os gestores dessas
organizações lembrarem desse versiculo, deixaram de lado metas humanas, o povo não
aplaudirá numeros, mas testemunhos de conversões genuínas aos pés de Cristo. As igrejas
consideradas pequenas aos olhos humanos serão tratadas como as consideradas grandes.
Todo membro do Corpo de Cristo será ouvido e não “desprezado à própria sorte” como
tem sido o caso de vários em nosso país, que em vão tem buscado ajuda, mas não tem sido
ouvidos.

O dia que a organização voltar (se é que voltará) a estar a serviço do Organismo,

voltaremos ao primeiro amor. Esse é o sonho de um velho Embaixador do Rei.
Moizes de Oliveira. Pastor Batista. Advogado. Diretor da Logos – Consultoria e
Assessoria Empresarial. www.logosempresarial.adv.br
moizes.oliveira@logosempresarial.adv.br